Diálogos & Ciência https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia <p><em>"A <strong>Revista</strong> <strong>Diálogos &amp; Ciência (D&amp;C)</strong> visa prover um fórum para estudos interdisciplinares em todas as áreas do conhecimento, em especial as Ciências da Saúde e Educação. Os editores crêem que um entendimento abrangente dos fenômenos requer uma abordagem interdisciplinar e interprofissional. Este periódico científico tem como objetivo publicar artigos, resenhas, relatos de experiências de diversas áreas do conhecimento e comunicação científica. <strong>Todas as publicações submetidas devem ser inéditas</strong>. E os trabalhos são indexados nas diferentes áreas da ciência. </em><em><br /><br /></em></p> <p><em><strong>Sistema de publicação em fluxo contínuo.</strong> Na prática isso significa que à medida que um artigo esteja pronto e editado ele será publicado. Esta ação segue as tendências internacionais de publicações científicas e agiliza a divulgação dos artigos.</em></p> Rede UniFTC pt-BR Diálogos & Ciência 1982-2197 SUMÁRIO https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia/article/view/990 <p>UTILIZAÇÃO DA ACUPUNTURA COMO FORMA DE TRATAMENTO DE DOENÇA DE DISCO INTERVERTEBRAL EM CÃO: RELATO DE CASO</p> <p>OSTEONECROSE DOS MAXILARES ASSOCIADO AOS BISFOSFONATOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA<br><br>SALA DE AULA INVERTIDA: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA</p> <p>MENINGITES BACTERIANAS E VIRAIS: DADOS DOS CUSTOS, ÓBITOS, INTERNAÇÕES E BUSCA NA INTERNET NO BRASIL</p> Rede UniFTC Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-04-13 2024-04-13 3 2 UTILIZAÇÃO DA ACUPUNTURA COMO FORMA DE TRATAMENTO DE DOENÇA DE DISCO INTERVERTEBRAL EM CÃO: RELATO DE CASO https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia/article/view/152 <p>A doença de disco intervertebral (DDIV) é uma patologia caracterizada pela degeneração do disco intervertebral, sendo considerada uma das principais alterações neurológicas em cães. Os pacientes acometidos apresentam uma elevada taxa de ocorrência dos três aos seis anos de idade, para raças condrodistróficas e dos oito aos dez anos, para raças não condrodistróficas. Para o diagnóstico definitivo é preciso realizar exames de mielografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnétic. Como a acupuntura tem sido utilizada de forma eficiente para o tratamento de alterações neurológicas como a DDIV, proporcionando analgesia profunda e de longo prazo. Nesse sentido, esse estudo teve como objetivo relatar um caso de utilização da acupuntura em doença de disco intervertebral em um cão da raça Bulldog Francês. Inicialmente, foram realizadas&nbsp; oito sessões de acupuntura com intervalo de um a dois dias. a partir da segunda sessão foi associada ao tratamento a fisioterapia, sendo realizado laserterapia, eletroterapia, ultrassom terapêutico e exercícios de cinesioterapia. O animal apresentou melhora significativa a partir da terceira sessão e&nbsp; deambulação com ataxia a partir da quarta sessão. Após oito sessões de acupuntura o animal obteve alta, recuperando totalmente seu quadro clínico. Após seis meses, o animal apresentou novamente paresia de membros posteriores. Durante dois dias foram realizadas duas sessões de acupuntura (uma por dia) e após o segundo dia de tratamento o animal já havia restabelecido os movimentos, deambulando normalmente. No entanto, devido o quadro clínico do paciente, se fez necessária a interveção cirúrgica.</p> Caroline Cardoso Amorim Helaine Santos Vieira Hannah Bandeira Thame Daniel Milton Rezende Teixeira Neto Copyright (c) 2024 Diálogos & Ciência https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-04-13 2024-04-13 3 2 5 14 10.7447/1678-0493.2024v3n2p5-14 OSTEONECROSE DOS MAXILARES ASSOCIADO AOS BISFOSFONATOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia/article/view/246 <p>Os bisfosfonatos (BFs) são fármacos muito utilizados para o tratamento de doenças do metabolismo ósseo e de neoplasias em tecidos ósseos. Recentemente, está sendo relatado uma forte relação entre o uso crônico desses medicamentos e o desenvolvimento de osteonecroses de mandíbula e maxila, consequência de seu emprego terapêutico cada vez mais recorrente. A Osteonecrose dos maxilares associados aos bisfosfonatos (OMAB) é caracterizada pela presença de osso necrótico exposto na cavidade bucal, por mais de oito semanas, em pacientes tratados com este medicamento, sem o histórico de terem sido submetidos à radioterapia de cabeça e pescoço. É uma complicação de difícil tratamento, sendo um desafio para os profissionais de saúde desde 2003. Apesar de diversas formas terapêuticas apresentadas, ainda não se tem um protocolo estabelecido definitivo perante essa manifestação. A revisão de literatura apresentada sobre a OMAB, evidencia sua etiopatogenia e as formas atuais disponíveis para o tratamento, como também os principais métodos de prevenção. Concluiu-se que essa patologia carece de mais estudos para elucidar com mais clareza sua etiologia e forma de tratamento definitivo.</p> Réferson Melo dos Santos Aline de Matos Vilas Boas Jason Mathias Pimenta Queiroz Rafaela Silva Barbosa Melo dos Santos Copyright (c) 2024 Diálogos & Ciência https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-04-13 2024-04-13 3 2 15 23 10.7447/1678-0493.2024v3n2p15-23 SALA DE AULA INVERTIDA: METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia/article/view/454 <p>A metodologia ativa procura modificar a forma tradicional de ensino, fazendo com que o aluno passe a ser o protagonista de sua aprendizagem, ou seja, saindo da posição passiva, o que só recebe as informações, para posição ativa através de experimentação e questionamentos. Entre as metodologias ativas se tem a sala de aula invertida, onde os alunos estudam previamente o contéudo de forma a ajudar a envolvê-los mais no processo de aprendizagem. Com isso, o objetivo desse artigo é apresentar uma proposta de plano de aula, através de uma de metodologia ativa por meio da sala de aula invertida como uma ferramenta motivadora, de forma a capacitar os discentes a atuar dentro da indústria da construção, a fim de prevenir os riscos de acidentes e doenças ocupacionais. A metodologia utilizada foi à pesquisa exploratória com o intuito de ter um melhor entendimento sobre o assunto. Pressupõe-se que a inserção da metodologia ativa sala de aula invertida no ensino do curso técnico em Segurança do Trabalho ajude a manter os alunos engajados e motivados, além de apresentar resultados positivos no que se refere à aprendizagem dos alunos, podendo contribuir para o desenvolvimento da colaboração, autonomia e protagonismo, que são habilidades fundamentais diante dos desafios e exigências da sociedade.</p> Luana Dantas de Medeiros Daniella de Jesus Lima Copyright (c) 2024 Diálogos & Ciência https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-04-13 2024-04-13 3 2 24 33 10.7447/1678-0493.2024v3n2p24-33 MENINGITES BACTERIANAS E VIRAIS: DADOS DOS CUSTOS, OBITOS, INTERNACOES E BUSCA NA INTERNET NO BRASIL https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia/article/view/232 <p><strong>Introdução: </strong>Meningite é uma inflamação das meninges, geralmente causada por infecção bacteriana ou viral do líquor. No Brasil, éde notificação compulsória, devido a sua gravidade e potencial em causar surtos. Através do DATASUS e Google Trens é possível garantir a correta gestão de saúde e avaliar o grau de informação da população para esse agravo. <strong>Objetivo</strong>: Relacionar o impacto financeiro das meningites viral e bacteriana no Brasil correlacionando com os termos de pesquisa na internet referentes à patologia entre 2008 a 2018. <strong>Métodos</strong>: Estudo epidemiológico analítico transversal utilizando DATASUS.Descritores usados no Google Trends: meningite viral e bacteriana. Para analise inferencial dos dados: plataforma R, versão 3.5.1 (https://www.r-project.org/) e as funções @rcorr para a obtenção da matriz de correlação de Spearman e visualizado com o pacote corrpot, os mapas foram confeccionado com o pacote tmap e visualizados com o pacote ggplot2.<strong>Resultados</strong>: Houve maior hospitalização por meningite viralem comparação com infecção meningocócica, porém, essa fez mais vítimas e gastopúblico. As internações por meningite bacteriana se correlacionaram positivamente no Sul e Sudeste com os custos, e negativamente com busca por meningite bacteriana. Os óbitos correlacionaram-se positivamente entre Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro e negativamente com a busca pelos termos meningite bacteriana e meningite viral em São Paulo e Tocantins. Na viral, os óbitos se correlacionaram positivamente com a pesquisa por meningite bacteriana em 8 estados; os custos por internação correlacionam negativamente com a busca pelo termo e com os casos de mais 6 estados.<strong>Conclusão</strong>: O sucesso das ações de vigilância e gestão do controle das meningites está relacionado a três eixos: investigação epidemiológica, manejo clínico e promoção de educação em saúde para a população. Esses podem garantir a realização de intervenções eficazes para alcançar uma diminuição das taxas de morbidade e de letalidade.</p> Alana dos Reis Silva Joao Sousa Chaves Neto Fernanda Freitas Lemos Lopes Alane Cássia Oliveira Cardoso Luana de Andrade Oliveira Carvalho Maria Clara Cruz Lobo Maria Paula Carletto Murilo de Queiroz Ramos Kiyoshi Fukutani Copyright (c) 2024 Diálogos & Ciência https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-04-13 2024-04-13 3 2 34 43 10.7447/1678-0493.2024v3n2p34-43 EXPEDIENTE https://periodicos.uniftc.edu.br/index.php/dialogoseciencia/article/view/991 <p>Revista Diálogo &amp; Ciência – Centro Universitário UniFTC<br>vol.3, n.2. (Fluxo Contínuo 2024)-Salvador-BA, 2024.<br><br>ISSN Eletrônico - 1678-0493<br>ISSN Impresso - 1982-2197<br>DOI: 10.7447/1678-0493.2024v3n2</p> <p>&nbsp;</p> <p>Os trabalhos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. Permitida a reprodução,<br>total ou parcial, desde que citada a fonte.</p> <p>A revisão, normatização e tradução dos artigos apresentados são de inteira responsabilidade dos autores e colaboradores.</p> Rede UniFTC Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-04-13 2024-04-13 3 2